Nostalgia – a pior das doenças do espírito.

A nostalgia é uma desgraça. É estar apegado a algo vazio. Embarcamos num navio, zarpamos rumo ao infinito. A terra ficou para trás. A âncora foi abandonada. A nossa frente, apenas o horizonte infinito. Infelizmente, você vai sentir nostalgia da Terra, pois o oceano – a infinitude das possibilidades do horizonte de nossa existência –… Leia mais Nostalgia – a pior das doenças do espírito.

Manchetes do jornalismo brasileiro em uma casca de noz.

*Nota do Blog: esse texto é uma distopia. Junho – Ativistas de minorias sexuais são atacados mais uma vez. Não há uma resposta contundente das autoridades. – Episódio de constrangimento de estrangeiros repercute na internet. Denúncia no Ministério Público é arquivada. Julho – A crise se torna institucional, legislativo usa todas as armas para enfraquecer o… Leia mais Manchetes do jornalismo brasileiro em uma casca de noz.

Cada um faz com o seu interruptor o que bem entender.

Tenebrosexuais VS. Luminosexuais Em uma galáxia mais ou menos longe daqui virando à esquerda aconteceu uma situação muito estranha. Fiquei sabendo por fontes também mais ou menos confiáveis. Como em toda cultura avançada da época as pessoas de bem tinham um comportamento razoável, trabalhavam pelo bem da civilização e, é claro, apenas faziam sexo no… Leia mais Cada um faz com o seu interruptor o que bem entender.

Eu só poderia crer num deus que soubesse dançar.

Gostaria de comentar um trecho de Assim falou (ou falava – há traduções e traduções) Zarathustra, de Friedrich Nietzsche “É verdade: amamos a vida não porque estejamos acostumados a viver, mas porque estamos acostumados a amar. (esse trecho é interessante porque defende a ideia de que tudo o que fazemos, fazemos por nós. Se eu… Leia mais Eu só poderia crer num deus que soubesse dançar.